Miomas: tudo que a mulher precisa saber. – Clinica Mariana Eloy – CLIMAE | Candeias, BA.

Miomas: tudo que a mulher precisa saber.

Perguntas e Respostas: O que as mulheres querem saber de sua ginecologista sobre a TPM?
24 de janeiro de 2016
Quando uma mulher deve procurar um endocrinologista?
15 de abril de 2016

Miomas são tumores benignos que se desenvolvem a partir do tecido muscular liso do útero. Seu surgimento consiste em uma desordem hormonal que provoca a divisão indistinta de uma célula do órgão, ocasionando a formação de nódulos. Esses nódulos são invisíveis a olho nu, mas podem causar deformação e expansão do útero. É estimado que essa doença aflija 50% das mulheres entre 30 a 50 anos, mas seu surgimento pode acontecer logo após a menarca.

A causa de seu surgimento não é conhecida, mas idade, ganho de peso, histórico familiar da doença e nuliparidade (não ter filhos) são considerados fatores de risco. Além disso, estatisticamente, mulheres negras são as mais atingidas pela doença.

Apesar de atingir um grande número de mulheres, nem sempre o mioma manifesta seus sintomas, entre os quais estão: Sangramento irregular, dores abdominais e pélvicas, pressão nos órgãos internos (principalmente na bexiga), dor e desconforto durante as relações sexuais e dificuldade para urinar, além de dificuldade para engravidar.

Normalmente, a doença é diagnosticada durante os exames ginecológicos regulares, com o auxílio de exames de imagem, como a ultrassonografia.

Existem quatro tipos de mioma, que se diferenciam pela sua localização, como denuncia a nomenclatura: Submucosos, intramural, subserosos e pediculados, e, apesar de uma leve diferenciação nos sintomas, o tratamento é o mesmo, e pode seguir diversos caminhos: A embolização, que se vale da injeção de uma substância que impede a alimentação dos tumores, a utilização de ultrassom focado, para destruir o tecido atingindo, a histerectomia, que resolve o problema retirando cirurgicamente o útero e a miomectomia, cirurgia que visa somente retirar os miomas e restaurar o órgão.

Além disso, também há o tratamento hormonal, que não extingue os tumores, mas diminui o desconforto provocado pelos sintomas.